Controlar a insulina é a chave para emagrecer, por isso devemos entender a relação da insulina com o emagrecimento. É por esta razão que as dietas ricas em proteínas visam alcançar uma meta: reduzir os níveis de insulina no sangue, para que o corpo queime gordura.

Ao falar em insulina, temos obrigatoriamente de mencionar os hidratos de carbono, pois são estes que aumentam os níveis de insulina no sangue. A insulina é uma hormona segregada pelo pâncreas e que tem a função de reduzir os níveis de açúcar no sangue. Se assim não fosse, haveria uma acumulação de açúcar (glicose) no sangue e provocaria problemas graves de saúde, entre eles a diabetes, a obesidade e os problemas que daí advém.

Relação da insulina com o emagrecimento

Os hidratos de carbono, sejam eles simples ou complexos, acabam todos transformados em açúcar durante a digestão. Ao entrarem na corrente sanguínea fazem aumentar os níveis de açúcar do sangue, e estes por sua vez os níveis de insulina. A insulina cumpre a missão de fazer chegar esse açúcar a todas as células do corpo, desta maneira as células recebem nutrientes e açúcar – a energia que o organismo necessita.

Mas, e apesar da insulina cumprir uma função tão importante para a saúde, infelizmente também promove o armazenamento de gordura, isto porque o excesso de açúcar que circula no sangue, a insulina armazena-o como gordura. Por isso é conhecida como a hormona do armazenamento. O corpo, desde sempre, habituou-se a criar reservas de gordura, reservas que outrora faziam sentido, quando o ser humano passava por períodos de escassez alimentar, mas que já não é o caso hoje em dia.

Ao mesmo tempo, como os níveis de insulina permanecem altos no sangue, a gordura acumulada nunca será queimada, porque sempre há uma permanente ingestão de hidratos de carbono, pois na dieta moderna os hidratos de carbono são consumidos em grandes quantidades, estando presentes em todas as refeições do dia, dispondo o corpo sempre de energia fácil e nunca tendo a oportunidade de gastar as suas reservas de gordura. Nestas condições, é praticamente impossível emagrecer.

Porque engordamos?

Neste sentido, podemos de uma maneira muito resumida exemplificar porque engordamos e compreender melhor a relação da insulina com o emagrecimento:

Excesso de carboidratos > subida da insulina > pára a queima de gordura > dá-se o armazenamento de gordura.

Vemos com isto que quantos mais hidratos de carbono comermos, sobretudo os chamados simples mas também os hidratos de carbono complexos (massas, arroz, cereais) em quantidades elevadas, mais engordamos e deixamos de queimar gordura.

Na prática, isso significa, que quem estiver a fazer uma dieta rica em carboidratos não poderá perder peso, sendo esta uma das principais razões pelas quais muitas pessoas não conseguem emagrecer. Muitas até seguem dietas saudáveis, sem no entanto obterem os resultados desejados, mas se dessem mais atenção à relação existente entre hidratos de carbono, insulina, acumulação de gordura, emagrecimento, alcançariam bons resultados.

Também há pessoas que não conseguem emagrecer porque provavelmente desenvolveram uma resistência à insulina, que se foi produzindo ao longo do tempo e, por isso têm sempre níveis altos de insulina no sangue. Perante este facto as células perderam a capacidade de resposta à insulina e o corpo encontra-se sobrecarregado com altos níveis de açúcar no sangue, podendo vir a desenvolver a diabetes tipo 2. As pessoas com resistência à insulina terão muito mais dificuldade em perder peso.

O mito das calorias

Durante muitos anos, sempre se ouviu dizer que para perder peso se deveria ingerir menos calorias do que as que se gasta, ou seja tudo se resumia a uma simples equação: as calorias que entram devem ser inferiores às calorias que se despende. O nosso peso estava relacionado com as calorias que ingeríamos. Assim nasceram as dietas baseadas na restrição calórica, que mandavam contar calorias. Mas ao cabo do tempo, levavam as pessoas a desistir pelas restrições que imponham.

Pelo contrário, as dietas ricas em proteínas não se baseiam em contar calorias e fazer restrição calórica, nalgumas incluso ingere-se mais calorias do que as que ingeríamos antes. Elas baseiam-se no controlo da insulina como forma garantida para emagrecer.

Controlar a insulina é a chave para emagrecer

Depois de vermos que elevados níveis de glicose e insulina no sangue têm, como o passar do tempo, um efeito de acumulação de gordura, que conduz ao aumento de peso e a problemas de saúde, neste sentido o primeiro passo para emagrecer é reduzir os níveis de açúcar no sangue a níveis normais.

Isto pode ser feito através da ingestão adequada de hidratos de carbono, optando por aqueles considerados de baixo índice glicemico e onde não deve faltar fontes ricas em proteínas, bem como gorduras saudáveis, que tudo no seu conjunto irá minimizar a entrada do açúcar no sangue e evitar as subidas da insulina.

Assim, o corpo irá segregar insulina, mas apenas a necessária para levar os nutrientes às células, deixando de haver subidas e descidas bruscas de açúcar no sangue, e também menos fome e desejos por alimentos doces. O resultado é a perda de peso, mas também mais energia e vitalidade. Tudo em beneficio da saúde.

Atenção, que não se trata de eliminar os hidratos de carbono, mas escolher os mais adequados e focando a atenção na quantidade, sobretudo quando se opta pelos de alto índice glicemico (massas, pães, cereais, arroz, frutas ricas em açúcar…).

Queimar gordura para emagrecer

Todo o fundamento de qualquer dieta proteica é obrigar o corpo a queimar gordura, e para tal, todas as sua recomendações alimentícias vão na mesma direção – controlar a insulina -, que se consegue através da redução dos hidratos de carbono.

Ao baixar a glicose, desce automaticamente a insulina. A partir daí o nosso organismo vê-se obrigado a recorrer às suas reservas de gordura, que se encontram na forma de triglicerídeos e que serão transformados em cetonas, que logo serão utilizadas pelo organismo para a produção de energia. Esta é a forma rápida de emagrecer com a dieta da proteína.

Vimos que, controlar a insulina é a chave para emagrecer e que é conseguido através de uma dieta sem consumo excessivo de carboidratos. E, além disso, outro factor não menos importante é a prática do exercício físico, já que esta atividade também faz diminuir os níveis de açúcar e insulina no sangue, ajudando o corpo a queimar gordura e a perder peso.